quarta-feira, 19 de abril de 2017

Acre celebra valorização e inclusão de povos indígenas em políticas públicas


Por mais de 500 anos, os povos indígenas, que primeiro povoaram o território brasileiro, viveram marginalizados, excluídos de políticas públicas e viram usurparem suas terras e direitos.
No Acre, onde se registram 16 povos indígenas, distribuídos em 36 terras, o governo busca reduzir os efeitos das injustiças socioeconômicas cometidas em terras brasileiras.
O Estado é um dos pioneiros no país a ter, na estrutura de governo, uma Assessoria Especial dos Povos Indígenas. Zezinho Kaxinawá, gestor da assessoria, ressalta que o destaque vai além e chega aonde se faz necessário – as aldeias.
“Na gestão do governador Tião Viana, temos avançado na educação, turismo, cultura, habitação, produção e saneamento básico, entre outros setores. Hoje, os povos celebram seus festivais em suas terras. Isso é a valorização cultural indígena. Há 20 anos, isso não acontecia”, pontua o assessor especial.

                       Empoderamento cultural


Zezinho Kaxinawá reforça que, com o fortalecimento cultural que o governo promove valorizando, por exemplo, os festivais promovidos em aldeias e a inclusão nas políticas públicas, surgiu também o empoderamento dos povos. “Os povos não buscavam reconhecimento por causa do preconceito. Agora, a gente vê entusiasmo e orgulho da parte indígena. O próprio governador Tião Viana prestigia os festivais”, completa.
Para celebrar as conquistas nesta semana em que se comemora o Dia do Índio, ações de promoção e valorização da cultura indígena têm sido realizadas nas aldeias.
Na aldeia Morada Nova, em Feijó, e na terra indígena Katukina-Campinas estão sendo promovidas atividades culturais com danças, comidas típicas indígenas e jogos. Em Tarauacá, com o apoio da Assembleia Legislativa do Estado (Aleac), será promovido um ato em alusão ao Dia do Índio.
Na quinta-feira, 20, em Rio Branco, haverá um seminário de educação indígena que contará com palestra do doutor em educação Gilberto Dalmolin, especialista em povos indígenas, educação intercultural e educação ambiental.

Fonte: AG Noticias do Acre

TARAUACÁ: PRESIDENTE DA CÂMARA CARLOS TADEU RECEBE GRUPO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO



Um grupo de estudantes do 2° Ano do Ensino Médio da Escola Dr. Djalma da Cunha Batista visitaram o Presidente da Câmara de Vereadores de Tarauacá, Vereador Carlos Tadeu na manhã desta quarta-feira, 19.

Os estudantes Wesley Nunes, Samylla Figueiredo, Leonaira de Sá, Mayara Fernandes e Ismael Hespanhol agradeceram o Presidente e disseram que esta é a primeira vez que são recebidos pelo o Presidente da Câmara que explicou que a Câmara é um espaço público que permite a participação dos cidadãos de diversas formas, bem como, dizê-los que todo mundo pode entrar na Câmara e reivindicar melhorias.

Carlos Tadeu os saudou, ressaltando da importância do trabalho dos vereadores. “É muito gratificante, receber a visita surpresa dos estudantes na Câmara e ressaltar que aqui é um espaço de todos, há uma contribuição muito clara no que tange a formação da cidadania”, afirma o Presidente.

Fonte: assessoria

terça-feira, 18 de abril de 2017

Jordanenses farão viagem de barco com duração de até seis dias para realizar o concurso da Polícia Militar


Cerca de 25 jovens de Jordão, município localizado no interior do Estado, farão uma viagem de barco até à cidade Tarauacá para realizar a prova do concurso público da polícia militar. Eles sairão nesta terça-feira (18) e deverão chegar ao município vizinho depois de amanhã. A prova será aplicada no próximo domingo, 23.


A cada certame estadual ou federal jovens dos municípios isolados do Acre vivem o que podemos chamar de odisseia por um emprego público efetivo. No caso dos jordanenses, contando os dias percorridos da descida e subida a viagem pode durar até seis dias, dependo das condições de navegação do rio Tarauacá. Isso, não inclui os dias que ficarão hospedado na cidade vizinha aguardando a realização da prova.


Só é possível chegar ao município de Jordão, por meio de aeronaves de pequeno porte ou barco. A cidade mais próxima é Tarauacá. Antes de obter a emancipação política a Vila Jordão pertencia ao município que recebe o nome do rio que banha as duas cidades.


Incentivado pelos vereadores da cidade, os jovens formaram um grupo de estudo, entretanto, faltava o material de estudo e o espaço que coubesse todos num mesmo lugar. Procurado pela jovem Andreia Oliveira, uma das postulantes ao cargo de aluna soldado, o deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) contribuiu com o material e equipamentos necessário para que eles pudessem estudar. O espaço foi cedido pelo secretário de Educação, Raimundo Vieira.


O combustível para a viagem está sendo patrocinado pela prefeitura de Jordão e a Câmara de vereadores. A alimentação está sendo custeada pelo gabinete do deputado Jenilson Leite. 


Jenilson Leite disse que está na torcida pelos jovens da cidade, e desejou boa sorte a todos. “Estou na torcida para que os jovens jordanenses obtenha êxito”.


Fonte Tarauacaagora: Foto Hiago Viana

Momento Saúde: Começou a Campanha nacional de vacinação contra influenza



A campanha nacional de vacinação contra a influenza teve início nesta segunda-feira, 17, mas alguns estados, inclusive o Acre, anteciparam o lançamento para a última segunda-feira, 10. O objetivo da campanha é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pelo vírus da influenza.

A campanha se estende até 26 de maio e a vacina está disponível nos postos de saúde. O Dia D de mobilização nacional será em 13 de maio. Devem receber a dose da vacina cerca de 54 milhões de pessoas em todo o Brasil.

Podem tomar a vacina idosos a partir de 60 anos, trabalhadores em saúde, povos indígenas, crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), portadores de doenças crônicas não transmissíveis, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e professores da rede pública, privada e de todos os níveis de ensino.

Pessoas com reação alérgica relacionada ao ovo de galinha e seus derivados e que apresentaram reações em doses anteriores não devem tomar a vacina. Caso apresentem febre moderada ou grave, é recomendado não tomar.

“A meta da campanha deste ano é vacinar 225.135 pessoas e alcançar cobertura de 90% de cada grupo elegível”, disse a gerente da Divisão de Imunização e Rede de Frio, Maria Auxiliadora de Holanda.

Para alcançar a meta, serão disponibilizados 117 postos fixos de vacinação, 51 postos móveis, 671 profissionais – entre enfermeiros, técnicos de enfermagem, administrativos e de apoio – e 92 meios de transportes (carros, barcos, motos e outros).

A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar a complicações graves e à morte, especialmente nos grupos de alto risco. A transmissão pode ocorrer pelo contato com a pessoa doente ou objetos contaminados.

Segundo o Ministério da Saúde, a imunização reduz em até 45% o número de internações por pneumonia e em até 75% a mortalidade em virtude de complicações da gripe.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Jenilson Leite pede a conclusão do polo industrial de Tarauacá

                          

O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) se reuniu nesta segunda-feira, 17, com o secretário estadual do desenvolvimento florestal, da indústria, do comercio e dos serviços sustentáveis (SEDENS), Sibá Machado, para tratar sobre contratação de engenheiros para a retomada dos trabalhos de conclusão do polo industrial de Tarauacá.


Na semana passada, a vereadora Janaína Furtado denunciou a paralização da obra em rede social do complexo industrial . Após tomar conhecimento da denúncia, Leite procurou o responsável pela pasta para saber o porquê da paralisação do empreendimento. 

O Complexo Madeireiro de Tarauacá é um empreendimento originado de uma parceria entre o governo do Estado e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e irá promover a agregação de valor aos recursos florestais madeireiros.


O consumo será proveniente de planos de manejo comunitário, empresarial e do Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório. A produção da indústria será utilizada principalmente na construção civil, nas indústrias moveleira e naval e instrumentos musicais.


Sibá Machado disse que a paralisação da obra ocorreu em função da perca de recursos do Estado. “Tivemos alguns problemas relacionado com a redução das condições financeiras do estado. Por esse motivos, estávamos sem engenheiro elétricos para dá continuidade à produção de laudos para continua a obra”.


O secretário salienta ainda, que na semana passada o Estado conseguiu contratar novos engenheiros. “Conseguimos contratar novos engenheiros, agora vamos apresentar os relatórios para o BNDS, e no mês de Junho os recursos serão liberados para a conclusão da obra”.

Machado afirmou ao deputado que o governo trabalha para entregar o parque industrial no máximo até dezembro deste ano. 


O deputado Jenilson Leite disse que este empreendimento necessita de um olhar especial do governo, pois vai beneficiar a comunidade local. Desde as pessoas que residem nas áreas de manejos aos empresários que trabalha na construção civil. “Quando li a postagem da vereadora Janaina Furtado, de imediato procurei o secretário Sibá para que ele dê um resposta à população de Tarauacá. Um empreendimento dessa magnitude, que vai gera empregos e renda precisa de um olhar carinhoso do governo do Estado”. O parlamentar enfatizou que saiu satisfeito da reunião, uma vez que, o secretário garantiu a retomada das obras e mostrou-se sensível com o tema.
 
Da Assessoria Parlamentar 

domingo, 16 de abril de 2017

Acordo intermediado por Comissão da Aleac soluciona situação do visto dos estudantes acreanos na Bolívia


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) participou na quinta-feira (13) de uma reunião com o ministro da Bolívia, Dr. Carlos Romero Bonifaz e com Governador de Pando, Luis Flores, para tratar sobre o visto dos estudantes brasileiros que cursam medicina humana e medicina veterinária no país vizinho. Além do ministro de governo de Evo Morales, estavam presentes na reunião o chefe da imigração do departamento de Pando, estudantes brasileiros e os reitores das universidades UAP e UNITEPC.

O encontro é fruto da audiência pública realizada no dia 05 de abril, na cidade de Brasileia, pela Comissão de Segurança Pública da ALEAC para tratar da situação do visto dos estudantes brasileiros que residem no Brasil, mas estudam em Cobija, cidade que sediou o encontro. Audiência foi proposta pelo presidente da Comissão, Jenilson Leite.

A reunião com as autoridades bolivianas teve como pauta: A expedição de um visto que garanta aos estudantes morar no Brasil e estudar na Bolívia (Cobija) e a anistia das multas que os estudantes acumularam devido residirem no Brasil. Os estudantes que tem apenas o visto de fronteira estão com o documento preso na imigração e foram multados. Para estudar de forma legal na Bolívia é necessário que o educando esteja com a documentação completa: certificado de ensino médio traduzido para o espanhol e autenticado pelo MEC e passaporte e visto Mercosul para estudante.

O que ficou acordado na reunião.

O deputado junto com os estudantes brasileiros acordaram com autoridades bolivianas os seguintes itens:
1- O visto fronteiriço será reconhecido pelo ministério da educação boliviano dando todas as garantias de que os estudantes morando em Brasiléia ou Epitaciolândia e estudando em Cobija ao final do curso terão sua documentação reconhecida.

2- No internato os estudantes receberão uma permissão especial também reconhecida pelo Ministério da Educação da Bolívia que permitirá estudar na Bolívia e morar no brasil.

3- Foi solicitado ao ministro a anistia das multas de todas as estudantes que receberam a informação equivoca sobre os vistos e que por essa razão foram autuadas. Em relação ao pedido Dr. Carlos Bonifaz ficou de avaliar e certamente será acatada Solicitação.

De resultado imediato ficou decidido que os estudantes podem passar na imigração e resolver a situação do visto (recolher seus documentos) e das multas. Vale destacar, que os estudantes que deram endereço residenciais da Bolívia, mas não residem lá, não serão beneficiados com os acordos dessa reunião.

Os acadêmico de medicina humana, Manoel Pinto e a estudante de medicina veterinária Liane Nicolau consideraram que a audiência e a participação do parlamentar na reunião foi primordial para que fosse solucionado a situação dos brasileiros. Segundo os dois , a reunião foi proveitosa, pois o governo boliviano deu a garantia que todos podem estudar lá, tendo como documento o visto de fronteira. Com relação as multas, Manoel salienta que o ministro disse caso não seja anistiada, os discentes poderão parcelar em até quinze meses. Lilian considerou muito proveitosa a reunião.

O presidente da Comissão de Segurança Pública da ALEAC, Jenilson Leite, destaca que a audiência está produzindo os frutos que ele e os estudantes almejam. “Estamos solucionado o problema dos nossos acadêmicos. Me sinto feliz porque a audiência está nos rendendo frutos. Aguardávamos essa reunião, e aconteceu. Estou otimista com os resultados vindouros”.


Fonte:Ac24Horas

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Jenilson Leite participa da XIII edição da feira do peixe e da agricultura familiar de Bujari


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) participou nesta quarta-feira, 12, da XIII edição da feira do peixe e da agricultura familiar, na cidade de Bujari. O evento é promovido pela prefeitura do município, em parceria, com o governo do Estado.

A feira terá a duração de três dias. O evento comercial iniciou nesta quarta e vai até sexta-feira (14). A comercialização do pescado está sendo realizada no mercado municipal do município. Nesta edição existe uma diferencia em relação as anteriores, os feirantes estão todos uniformizados, o local de trabalho é bem higienizado e foi inspecionado pela vigilância sanitária.


O prefeito do município, Romualdo Araújo (PCdoB), fala da importância desse evento comercial para os produtores da cidade. O gestor disse que há expectativa é que seja vendido entre 60 a 70 toneladas de pescado. “Temos uma expetativa de vender cerca de 70 toneladas de peixes, além de outros produtos comercializados pelos produtores. Isso, fortalece a economia do município, bem como auxilia os produtores”. Romualdo enfatizou ainda, a qualidade do pescado e o preço acessível. “ Quando decidimos organizar a feira cobrei dos produtores peixe de qualidade e, que o preço fosse acessível a toda a população local. Por isso, o preço do tambaqui varia de oito a dez reais o quilo”.


O deputado Jenilson Leite, correligionário do gestor, ressaltou que a feira do peixe de Bujari é um evento de grande importância no calendário do comércio acreano. Destacando que o município é um dos maiores produtores de pescado do Acre. “ Parabenizo o prefeito Romualdo pela organização do evento, está tudo bem organizado desde a higienização do espaço a qualidade do peixe. É um evento de suma importância pelo que representa essa venda para o produtor de pescado, e para o consumidor sendo que estamos próximos do feriado da semana santa. Tenho certeza que o evento vai superar todas as expectativas de vendas”, disse o parlamentar.



A produtora de hortaliça, Simone Araújo, moradora do ramal do Buriti – PA, ressaltou que a feira é um momento importante para quem vive da venda de hortaliças. “ Para nós que tiramos nosso sustento da venda de hortaliças a feira é momento importante, porque triplicamos as vendas, e isso nos auxilia bastante”. No tocante a organização do evento, a produtora parabenizou os organizadores pelo novo espaço. “ Quero parabenizar os organizadores por este novo espaço. Nas edições anteriores vendíamos na rua, hoje temos um local adequado”.

A XIII edição da feira do peixe de Bujari conta com o apoio da Caixa Econômica, do Sebrae, entre outros parceiros.

Da Assessoria Parlamentar 

quinta-feira, 6 de abril de 2017

ALEAC discute a situação de estudantes do AC na Bolívia



A Assembleia Legislativa do Acre, através da comissão de Segurança Pública realizou uma audiência pública, na quarta-feira (05), na cidade de Brasileia, para discutir a situação dos estudantes brasileiros que cursam medicina humana e medicina veterinária na cidade de Cobija, capital do departamento de Pando, Bolívia. O evento foi realizado no Centro Cultural da cidade brasileira.
A audiência é fruto de um requerimento do deputado estadual Jenilson Leite, presidente da Comissão de Segurança Pública da Casa. Além de Leite, estiveram presentes os deputados: Gehlen Diniz, Antonio Pedro, Leila Galvão, Eliane Sinhasique e Maria Antonia. Também estiveram a representante da imigração boliviana Ana Clara, e a prefeita do município de Brasileia, Fernanda Hassem.
A audiência teve como objetivo discutir a situação dos brasileiros que são acadêmicos no país vizinho. Essas pessoas estão tendo problemas em relação ao visto de permanência dos estudante na Bolívia. Isso tem gerado transtorno aos estudantes e gasto exorbitante.
“Em função do pedido que foi encaminhado para a comissão de segurança pública da Aleac, nós deputados resolvemos vim até Brasileia para que possamos dialogar com as autoridades bolivianas e os estudantes. Eu já fiz medicina no exterior e sei da dificuldade que é para você poder estar em outro país, e com a finalização dessa conversa vamos estar saindo daqui com os encaminhamentos”, explicou Jenilson Leite, Deputado Estadual – Presidente da Comissão de Segurança.
Para que os brasileiros não fique de forma ilegal na Bolívia todos os seus documentos tem que estar completos com as assinaturas do Ministério da Educação (MEC), certificados de conclusão de ensino médio carimbado e traduzido para o espanhol e com o visto do MERCOSUL ou visto Fronteiriço.

A estudante do curso de medicina veterinária, Liane Rosa, relatou aos parlamentares a situação que estão passando para entrar no país vizinho.
“A imigração boliviana cobrou de alguns estudantes o pagamento de multas com valores exorbitantes. Valores que chegam a cinqüenta mil reais (R$50 mil), mesmo estando com visto Fronteiriço em mãos. Isso quer dizer que os três primeiros períodos da faculdade nós estávamos ilegalmente na Bolívia, isso se deu por conta de uma reunião que foi realizada na nossa faculdade com o reponsavél da imigração que falou que poderíamos nos regularizar depois, e que não cobrariam multa. Diante disso, todos os estudantes foram e fizeram o visto fronteiriço conforme a imigração solicitou”, relatou Liane Rosas.
Blitz na Fronteira
Nas primeiras horas dos dias 4 e 5 de abril a polícia boliviana juntamente com a imigração realizaram blitz, no sentido Brasil-Bolívia, na entrada de Epitaciolândia e na ponte da amizade em Brasileia. Os transeuntes tem que mostrar suas carteiras de identidades e falar o que estão indo fazer na Bolívia. As pessoas que estão a passeio estão sendo liberadas sem nenhuma advertência, já os estudantes tem que mostrar o visto seja MERCOSUL ou Fronteiriço.
Os estudantes que não possuem visto MERCOSUL estão sendo notificados, seus nomes são anotados e são obrigados a pagar uma multa no valor de quatrocentos bolivianos que é o equivalente a duzentos reais. Sendo impedidos de irem para universidade.
Depois da reunião foi feito um relatório que será encaminhado a embaixada da Bolívia, em Brasília, e também ao Itamaraty. Além disso, a comissão de segurança vai à Brasília discutir a situação com a bancada federal e ministérios de relações exteriores.

Fonte AC24Horas 

Momento Saúde: Depressão é o tema da campanha do Dia Mundial da Saúde deste ano

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) realiza na próxima sexta-feira, 7, programação alusiva ao Dia Mundial da Saúde. O tema da data para este ano é “Let’s talk” (Vamos conversar) e tem como abordagem a depressão, transtorno mental que atinge cerca de 350 milhoes de pessoas em todo o mundo, de acordo com a OMS.
Serão realizadas duas palestras – Let’s talk: Vamos conversar e Depressão: Sinais, sintomas, Tratamento e Prevenção – ministradas  por psicólogos da Sesacre, no auditório da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), a partir das 9h.
De acordo com o coordenador da Divisão de Prevenção e Promoção à Saúde da Sesacre, Wendell Braga, as palestras têm como objetivo sensibilizar e informar a população sobre esse grande problema de saúde que é a depressão, tema deste ano escolhido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS).
A ação tem o apoio dos departamentos de Vigilância em Saúde, Vigilância Epidemiológica, Ações Programáticas, Saúde Mental, além de outras secretarias do Estado e de Rio Branco como a SepMulheres, Desenvolvimento Social, Meio Ambiente e unidades de saúde como Hospital de Urgências e Emergências de Rio Branco (Huerb) e Centro de Controle Oncológico do Acre (Cecon).

terça-feira, 4 de abril de 2017

Deputado Jenilson Leite destaca realização de primeiro Seminário de Saúde Indígena em Rio Branco


O deputado Jenilson Leite (PC do B), falou na sessão desta terça-feira (4) na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) sobre o primeiro Seminário de Saúde Indígena, que será realizado no dia (6) de abril em Rio Branco. O evento será realizado pelo Conselho Federal de Medicina (CRM), com o objetivo de reunir membros da comunidade médica e gestores de saúde de todo o país em torno do tema e dos desafios envolvidos, principalmente nas questões sanitárias.


“Vamos discutir os desafios relacionados à saúde indígena e os participantes farão todo um trabalho de análise do contexto geral que temos hoje, para darmos avanços no futuro. Precisamos discutir políticas públicas para a nossa população indígena, já trabalhei na saúde indígena e por isso sei das dificuldades para se descolar com as equipes médicas pelos rios até as aldeias”, disse.

O seminário será realizado no auditório da Uninorte às 8:30h e contará com palestras de médicos e dos próprios indígenas.

Jenilson Leite também falou sobre a audiência pública que será realizada amanhã (5) às 14:00h no município de Brasiléia. A audiência que foi proposta por ele, discutirá junto com os acadêmicos brasileiros que estudam na Bolívia e autoridades de migração a cobrança indevida de vistos de permanência.

“Esse é um problema que está sendo vivenciado pelos estudantes de medicina na Bolívia. Há muitos estudantes que em função das dificuldades de informação relacionados ao visto estão tendo que pagar duas vezes. Nesse sentido, de cobrança indevida, propus essa audiência para discutir o assunto”, informou.

O parlamentar destacou, ainda, que esse é um assunto de interesse do Parlamento. “São milhares de acreanos que estudam em solo boliviano. Ele falou, também, da dificuldade que é estudar em terras estrangeiras.

“Esse problema é do interesse dessa Casa. Através da Comissão de Segurança Pública vamos até Brasileia para que possamos dar as mãos e a ajudar a resolver esse problema. Eu já fiz medicina no exterior e sei como é difícil estudar em outro país”, finalizou.

UPA da Cidade do Povo realiza mais de 40 mil atendimentos em 2016


Desde 2014 a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) leva os serviços de saúde necessários aos moradores da Cidade do Povo e bairros adjacentes. Em 2016, mais de 40 mil atendimentos foram realizados, entre casos simples, de média e de alta complexidade.

À época, a UPA foi inaugurada com estrutura para atendimentos básicos classificados como faixa azul. E foi em 2016 que passou a funcionar 24 horas, com diversos serviços e especialidades médicas. Dispõe de equipamentos de raio-X, eletrocardiografia, laboratório de exames e leitos de observação.

Segundo a diretora da unidade, Naira Giglioli Barbosa, desde a inauguração da Unidade Básica de Saúde Manoel Alves Bezerra, realizada pela Prefeitura de Rio Branco, em maio de 2016, o fluxo de pacientes na UPA reduziu. Para ela, aos poucos a comunidade está sendo conscientizada dos serviços que cabem à atenção primária.

“Os serviços de saúde disponíveis aqui na Cidade do Povo são essenciais à população e dia a dia temos visto isso. Muitas vezes já sabemos de cada paciente pelo nome, quem é o Francisco, quem é a dona Geralda, entre outros. Assim, temos conseguido atender às necessidades de cada um, dentro da competência de cada setor, quer seja o que é para ser solucionado na UPA, quer seja o que precisa ser direcionado para a unidade básica”, explica Naira.


Tadeu Bezerra, 52 anos, mora na Cidade do Povo há menos de um ano. Não é a primeira vez que necessita recorrer à Unidade e frisa: “É muito importante ter onde buscar atendimento próximo da nossa casa nessa correria da rotina. E aqui tem toda a estrutura, sempre saio satisfeito”, diz.

Os dados sistematizados pela unidade dão conta de que nos dois primeiros meses deste ano houve mais de seis mil atendimentos, uma redução em torno de 50% em relação ao ano anterior no tocante aos casos de faixa azul, considerados de rotina.

“Para nós, esse é um ganho enorme por demonstrar a conscientização da comunidade, além de garantirmos que as pessoas cheguem aqui e sejam assistidas por toda a equipe, com mais agilidade no fluxo de atendimentos”, completa a diretora.

Fonte: Noticias do Acre.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O médico Jenilson Leite diz que a teoria sobre Síndrome é absurda e preconceituosa


O deputado estadual e médico Jenilson Leite (PCdoB) vem a público manifestar sua solidariedade com as famílias e a pessoas com a síndrome de Down. Além disso, o deputado repudia veemente a conduta do delegado de polícia civil do Acre, Sr. Henrique Paviane, pela comparação infeliz que fez das pessoas com a síndrome de Down com os ETs.

Na qualidade de médico, Leite ressalta que a síndrome de Down é uma condição genética com expressão fenotípica que gera características particulares, mas não diferenciar o portador de qualquer ser humano. Essa característica se dar porque a formação das células foi gerada com a presença de três cromossomos 21. Essas pessoas podem trabalhar, brincar, cantar fazer tudo que as demais pessoas fazem.


Como médico e representante da sociedade acreana no parlamento estadual, Jenilson Leite afirma que é inaceitável que um Agente público ou qualquer outro membro da sociedade haja de forma tão preconceituosa contra as pessoas com Down.

Entenda o que é : SÍNDROME DE DOWN

síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo. Isso ocorre na hora da concepção de uma criança. As pessoas com síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, têm 47 cromossomos em suas células em vez de 46, como a maior parte da população.

As crianças, os jovens e os adultos com síndrome de Down podem ter algumas características semelhantes e estar sujeitos a uma maior incidência de doenças, mas apresentam personalidades e características diferentes e únicas.


É importante esclarecer que o comportamento dos pais não causa a síndrome de Down. Não há nada que eles poderiam ter feito de diferente para evitá-la. Não é culpa de ninguém. Além disso, a síndrome de Down não é uma doença, mas uma condição da pessoa associada a algumas questões para as quais os pais devem estar atentos desde o nascimento da criança.

As pessoas com síndrome de Down têm muito mais em comum com o resto da população do que diferenças. Se você é pai ou mãe de uma pessoa com síndrome de Down, o mais importante é descobrir que seu filho pode alcançar um bom desenvolvimento de suas capacidades pessoais e avançará com crescentes níveis de realização e autonomia. Ele é capaz de sentir, amar, aprender, se divertir e trabalhar. Poderá ler e escrever, deverá ir à escola como qualquer outra criança e levar uma vida autônoma. Em resumo, ele poderá ocupar um lugar próprio e digno na sociedade.

Entenda a trissomia

Os seres humanos têm, normalmente, 46 cromossomos em cada uma das células de seu organismo. Esses cromossomos são recebidos pelas células embrionárias dos pais, no momento da fecundação. Vinte e três vêm dos espermatozoides fornecidos pelo pai e os outros 23 vêm contidos no óvulo da mãe. Juntos, eles formam o ovo ou zigoto, a primeira célula de qualquer organismo. Essa célula, então, começa a se dividir, formando o novo organismo. Isso quer dizer que cada nova célula é, em teoria, uma cópia idêntica da primeira.

Os cromossomos carregam milhares de genes, que determinam todas as nossas características. Desses cromossomos, 44 são denominados regulares e formam pares (de 1 a 22). Os outros dois constituem o par de cromossomos sexuais – chamados XX no caso das meninas e XY no caso dos meninos. 
 


Assessoria Parlamentar 

sexta-feira, 31 de março de 2017

Comissão de Segurança da Aleac realiza audiência Pública para discutir violência em Assis Brasil


Atendendo ao pedido da população de Assis Brasil, município localizado na tríplice fronteira, a Comissão de Segurança Pública e Combate à violência e ao Narcotráfico da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), realizou na tarde desta quinta-feira (30), uma audiência pública no auditório do Fórum da Comarca de Assis Brasil. No encontro, os deputados junto com sociedade civil organizada, e autoridades locais discutiram temas voltados ao combate à violência no município.



O requerimento para a realização da audiência é de autoria do deputado Jenilson Leite (PCdoB) que também é o presidente da Comissão de Segurança Pública da ALEAC.


O encontro contou a participação dos deputados Nelson Sales (PV), Lourival Marques (PT), Antônio Pedro (Dem), Leila Galvão (PT) e Gehlen Diniz (PP), também participaram da audiência, juntamente a representantes da Secretaria de Segurança Pública do Estado, polícias Civil, Militar, Federal, Bombeiros e vereadores do município.

A audiência foi presidida pelo deputado Jenilson Leite. O parlamentar abriu a solenidade agradecendo o presidente da Casa, deputado Ney Amorim (PT), pelo suporte oferecido aos demais parlamentares, que visitam as comunidades buscando ajudá-las. “Agradeço ao presidente da Aleac, deputado Ney Amorim, que nos oferece toda base para que possamos visitar as comunidades. Em função de alguns questionamentos a respeito da segurança pública, estamos aqui para debater e chegar a um consenso sobre como podemos colaborar para ajudar nessa área. Sabendo que esse é um dever de todos, queremos ouvir a população em relação aos problemas que ocorrem em Assis Brasil, uma cidade fronteiriça e que precisa de cuidados especiais” observou o parlamentar.

Dentre as reclamações feitas pelos moradores, estão a ausência permanente do Ministério Público e Poder Judiciário, que, de acordo com moradores, atendem no município somente a cada duas semanas. Outro fator cobrado foi a permanência de um delegado na cidade, uma vez que, o delegado de Epitaciolândia, Mardilson Vitorino, tem que se deslocar duas vezes por semana a Assis Brasil, o que para a população, não estaria sendo o suficiente.

Após as falas dos deputados presentes na audiência, houve a participação das autoridades locais e também da população, que deu sugestões para melhorias na segurança. A Comissão de Segurança Pública da Aleac vai agora formular um documento com base nos dados relatados e em seguida encaminhá-lo ao Poder Executivo e à Secretaria de Segurança Pública.



Jenilson Leite pede contratação de técnicos e apoio para setor produtivo de Jordão

O deputado estadual Jenilson Leite ( PCdoB) se reuniu na quarta - feira 29,  com o secretário da Seaprof,  Taumaturgo Neto,  para pedir a contratação  de técnicos agrícolas  e apoio para os agricultores  e indígenas que residem na zona rural do município de Jordão.Neto garantiu ao parlamentar investimento para  fomentar  as cadeias produtivas do município.


Jenilson tem atuado em defesa  dos mais diversos setores da sociedade acreana. Dentre estes setores, tem buscado enfaticamente auxiliar o homem do campo.   "É necessário investir no homem do campo, desta forma lhe proporcionar uma  vida melhor.    Dando  condições para produzir e sustentar suas famílias". Salienta.

 
Será destinados  um montante   em torno de 662 mil reais, focado  nas cadeias de horticultura, mel, piscicultura , no Projeto de Assentamento e na extensão indígena.A liberação dos recursos deve começar a partir de abril.

 
Segundo Neto,  os produtores serão contemplados com uma trituradora motorizada a combustível que serve para derrubar o milho e outros empreendimentos agrícolas.

  
Jenilson Leite pediu ao gestor que além da liberação de recursos para o fomento,  a Seaprof garanta a integração entre indígenas e pessoas dos projetos de assentamentos. Que excedente da produção desses pequenos agricultores seja escoado para a venda.


No final do encontro, Leite convidou o secretário para vir conhecer as cadeias produtivas de Jordão.

Da assessoria

terça-feira, 28 de março de 2017

Jenilson propõe e Aleac fará audiência pública em Assis Brasil para discutir a violência na fronteira



O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB), presidente da Comissão de Segurança pública da ALEAC, apresentou um requerimento de Nº 22/2017, na tribuna do parlamento solicitado a realização de uma audiência pública no município de Assis Brasil, para discutir a violência na fronteira do país. A cidade está localizada na tríplice fronteira entre o Brasil, o Peru e a Bolívia, formando uma conturbação, ou núcleo de populações vizinhas, com a cidade peruana de Iñapari e com a cidade boliviana de Bolpebra.

A audiência será realizada no dia 30 de março, no Fórum da Comarca de Assis Brasil. O evento contará com a presença dos deputados membros da comissão de segurança pública, comissão promotora da audiência; representante das forças de segurança pública federal e estadual: Exército e a Polícia Militar, respectivamente; membros do judiciário e da sociedade civil organizada.

Jenilson justificou seu pedido durante seu pronunciamento aos seus pares na tribuna da Casa do Povo. O pedido veio da comunidade, através da vereadora Toinha e da deputada Leila que é da região e segundo o parlamentar, essa parte da fronteira vive em estado de vulnerabilidade e é uma rota fácil para o tráfico de entorpecente pela ausência de fiscalização. “Atualmente a fronteira Brasil-Bolívia-Peru é um símbolo do de vulnerabilidade . São 3.400 km dividindo os limites fronteiriços dessas três nações. A falta de fiscalização pela União transformaram essa região numa rota aberta ao tráfico e ao contrabando”, justificou.

O parlamentar ressaltou ainda que, precisa de melhor olhar da segurança pública como forma de modificar a situação e que o expressivo aumento da violência em Assis Brasil. Além disso, é necessário a integração entre os municípios, o Estado, a União e as suas forças militares para garantir a segurança dos cidadãos e coibir o tráfico na fronteira do país”.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Deputado Jenilson Leite pede mais apoio as autoridades e a volta do COE na regional Tarauacá/Envira.


O presidente da Comissão de Segurança Pública da ALEAC, deputado Jenilson Leite (PCdoB, se reuniu com o comandante da Polícia Militar do Acre, Coronel Júlio Cesar, O secretário de policia civil Carlos Flavio, o Diretor-Presidente do IAPEN, Dr. Martin Cavalcante, para tratar de assuntos relacionados à segurança pública da população da regional Tarauacá – Envira.
O deputado entregou um encaminhamento tirado de uma audiência pública realizado em Tarauacá, no mês de novembro de 2016, na qual envolveu a sociedade civil organizada, o representante do MP, do Judiciário e da cúpula de segurança da cidade. Neste documento consta as ações que que no entendimento da autoridades locais deverão ser efetivadas nos municípios para diminuir o índice da criminalidade e o enfretamento ao tráfico de drogas.
O parlamentar apresentou como principais reivindicações da população dos municípios a solicitação do término da reforma do quartel de Tarauacá e o início da reforma do quartel de Jordão, a necessidade de mais viaturas, o aumento do efetivo das polícias em Tarauacá, Feijo e Jordão, o aumento de vagas no presídio de Tarauacá, mas principalmente o retorno do Comando de Operações Especiais -COE como forma de enfrentar o crime e o tráfico de drogas na região.
O comandante Júlio César informou-lhe que a obra do quartel está quase terminadas e que muito breve o quartel de Tarauacá será reinaugurado. “Estamos esperando só uma vaga com o governador, creio que em menos de 15 dias vamos à Tarauacá inaugurar esta obra”.
Quanto às viaturas, ele garantiu que no final de março o governo do estado receberá dez viaturas, das quais, uma será para Tarauacá e outra pra Feijó, a mesma coisa acontecerá com viaturas da polícia civil. “Nós estamos recebendo 10 viaturas agora no final de Março. Sendo esta a primeira remessa, das quais, vou enviar uma para Feijó, Tarauacá e Sena Madureira”.
Quanto à volta da COE as ruas de Tarauacá Júlio César ficou de fazer um estudo sobre o pedido do representante da sociedade. Dizendo que seria preciso fazer o treinamento de quinze policiais e também o envio de uma viatura caracterizada com as cores da corporação. “A COE é uma polícia diferenciada podemos olhar com carinho a possibilidade da volta desse Grupo ao município de Tarauacá. Podemos estar trazendo 15 policiais para fazer um curso e um treino tático. Vamos analisar a possibilidade com carinho”, frisou.
Leite entregou aos demais membros da cúpula de segurança pública do Estado o documento da audiência pública que já havia sido entregue a Júlio César. O documento foi entregue ao Dr. Martin Cavalcante diretor-presidente do IAPEN que enfatizou que as obras de ampliação do número de vagas do presídio de Tarauacá já estão em curso. Dr. Carlos Flávio, secretário de polícia civil destacou que farão investimento em infraestrutura para melhorar a atuação da polícia que já age com grande eficiência na região para que assim a população tenha mais tranquilidade.⁠⁠⁠⁠
Fonte: ac24horas

terça-feira, 7 de março de 2017

Jenilson pede curso de Direito e Enfermagem ao reitor da UFAC para a regional Tarauacá/Envira



O deputado estadual Jenilson Leite se reuniu com o reitor da Universidade Federal do Acre- UFAC, Minoru Kinpara, para tratar da expansão de cursos superior para a regional Tarauacá/Envira. Também participaram da reunião a vice-reitora, professora Guida Aquino e outros membros da direção da UFAC. O deputado solicitou do reitor que a universidade oferte cursos superior de forma permanente na região. Solicitou ainda, que seja mantido os cursos de matemática e de pedagogia que já é ofertado de maneira provisória para a formação de professores. Além de disso, amplie o número de cursos ofertados para as áreas de direito e enfermagem.

Minoru disse ao parlamentar que existem dois projetos que estão no plano de expansão  da UFAC. “Temos dois projetos de ampliação da UFAC para o interior. Um é para atender Sena Madureira e Manoel urbano, e o outro será a implantação de um campus na divisa entre Tarauacá e Feijó , atendo assim as três  cidades que são Tarauacá, Feijó e Jordão”. Contudo, ressaltou que a crise instalada no Brasil dificultou os novos  projetos de ampliação da universidade para o interior.

O reitor acrescentou que, apesar da crise sua equipe vai continuar lutando para que estes projetos venham se concretizar. Kinpara disse ainda que nas visitas que fez ao interior pôde constatar a dificuldade de um jovem se descolocar destes municípios para à capital. “Pude ver de perto as dificuldades que um jovem enfrenta para se deslocar para estudar em  Rio Branco. Estive em Tarauacá, Feijó, Jordão, e constatei a necessidade da implantação desses cursos nas regionais”.  

Jenilson ponderou ao gestor que é preciso discutir uma alternativa para a expansão de cursos superiores para os municípios de, Tarauacá, Feijó e Jordão. O deputado acrescentou ainda que seria extraordinário um curso de enfermagem ou direito para contemplar a população dessas cidades. “Isso teria um grande impacto de dez a quinze anos para essas cidades, uma geração de jovens formados em cursos dessa magnitude ajudaria muito nossa regional".
Leite destacou que a regional Tarauacá/Envira tem uma população estimada em 80 mil habitantes, e que é preciso investir em política que melhore a vida das pessoas, e a educação ainda é o melhor caminho.


Fonte: Assessoria

segunda-feira, 6 de março de 2017

Jenilson solicita audiência pública para discutir vistos de estudantes brasileiros

O deputado Jenilson Leite (PCdoB) apresentou um requerimento na última semana na Aleac, solicitando a realização de uma audiência pública em Brasileia para discutir junto com os acadêmicos brasileiros que estudam na Bolívia a cobrança indevida do visto. Ele acrescentou que estão cobrando duas vezes pelo mesmo documento.

“Estou trazendo um problema que está sendo vivenciado pelos estudantes de medicina na Bolívia. Há muitos estudantes que em função das dificuldades de informação relacionadas ao visto estão tendo que pagar duas vezes pelo documento. Por causa dessa cobrança retroativa estamos propondo uma audiência pública em Brasileia. Iremos convidar a direção da universidade, as pessoas que trabalham com a questão aduaneira para que possamos ajudar os estudantes”, salienta.

O parlamentar destacou, ainda, que esse é um assunto de interesse do Parlamento, afinal muitos acreanos estudam em solo boliviano. Ele falou, também, da dificuldade que é estudar em terras estrangeiras.

“Para os estudantes que estão em Cobija, estava sendo cobrado o visto fronteiriço, muitos estão se graduando e eles só entregam o documento se for pago o retroativo.

Esse problema é do interesse desta Casa. Através da Comissão de Segurança Pública vamos até Brasileia para que possamos dar as mãos e a ajudar a resolver esse problema. Eu já fiz medicina no exterior e sei como é.

Está registrada aqui a nossa preocupação e apresentado o requerimento para que possamos realizar o mais rápido possível essa audiência pública”, enfatiza.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Situação de migração de Estudante Brasileiros na Bolívia será discutido em audiência pública.


O deputado Jenilson Leite (PCdoB) apresentou um requerimento durante a sessão desta quinta-feira (3) solicitando a realização de uma audiência pública em Brasileia para discutir junto com os acadêmicos brasileiros que estudam na Bolívia e autoridades de imigração a cobrança indevida de vistos de permanência. Ele acrescentou que está sendo cobrado duas vezes por documentos com a mesma finalidade.

“Estou trazendo um problema que está sendo vivenciado pelos estudantes de medicina na Bolívia. Há muitos estudantes que em função das dificuldades de informação relacionados ao visto estão tendo que pagar duas vezes. Nesse sentido, de cobrança indevida , estamos propondo que façamos uma audiência pública em Brasileia onde iremos convidar a direção da Universidade, autoridades consulares brasileiras e bolivianas e vê como possamos ajudar os estudantes”, salienta.

O parlamentar destacou, ainda, que esse é um assunto de interesse do Parlamento, afinal são milhares de acreanos que estudam em solo boliviano. Ele falou, também, da dificuldade que é estudar em terras estrangeiras.


“Para os estudantes que estão em Cobija, está sendo cobrado visto fronteiriço e o Mercosul, havendo a necessidade apenas do Mercosul e muitos estudantes que usam apenas um desses vistos estão se graduando e eles só entregam o documento se pagar o retroativo o visto que lhe faltava. Esse problema é do interesse dessa Casa. Através da Comissão de Segurança Pública vamos até Brasileia para que possamos dar as mãos e a ajudar a resolver esse problema. Eu já fiz medicina no exterior e sei como é difícil estudar em outro país. Está registrado aqui a nossa preocupação e apresentado o requerimento para que possamos realizar o mais rápido possível essa audiência pública”, enfatiza


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Jenilson Leite deixa a Comissão de Constituição e Justiça da Aleac com 100% dos trabalhos concluídos


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB), depois de dois anos à frente da comissão mais importante da ALEAC, CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), deixa o posto com 100% dos trabalhos executados. O deputado assumiu a presidência da CCJ em fevereiro de 2015, tendo sido reeleito no ano seguinte por unanimidade.


Durante este período que o parlamentar conduziu os trabalhos da comissão responsável por analisar e dá o parecer técnico a respeito da constitucionalidade dos projetos, Leite teve seus feitos reconhecidos. Tanto pelo colegas de parlamento, bem pelos órgãos de imprensa e de sindicalistas. São mais de duzentos projetos e atos normativos analisados minuciosamente por ano. Todos eles tiveram sua tramitação regimental de acordo com o regimento da ALEAC, foram analisados e votados. Antes do recesso legislativo no final de dezembro de 2016, não ficou um único projeto sem receber o parecer da CCJR, ou seja, 100% das demandas forma executadas.



O deputado deu uma “nova cara” a comissão, trazendo a sociedade para o debate. Com Jenilson, antes que qualquer projeto fosse analisado e votado, o legislador teve sempre a preocupação de chamar as partes interessadas na matéria para fazer um debate profundo. A exemplos disso, cita-se o PCCR dos procuradores e defensores públicos do Estado, a nomenclatura dos funcionários do TCE, além dos projetos que atendem os interesses das entidades sindicais.



Jenilson Leite deixa a CCJR para comandar a de Comissão de Segurança Pública e a Comissão de Finanças e Orçamento.



“Sinto-me realizado pelos êxitos obtidos à frente da CCJ. Nós, os membros da CCJ, demos o nosso melhor, buscamos fazer aquilo que estava ao nosso alcance e o que a sociedade espera de seus representantes. Sou grato a todos que contribuíram para que deixássemos as gavetas da CCJ vazia”, enfatiza o deputado.


Fonte: ac24horas

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Jenilson Cobra ao INSS Seguro Defeso dos pescadores do Estado


O deputado estadual Jenilson Leite, do PCdoB, se reuniu na tarde desta terça-feira, 14, com o gerente do INSS no Estado, Elias Martins Evangelista, e Manoel Fernandes, técnico do setor de seguro social que tem a incumbência de efetuar o pagamento do seguro-defeso para os pecadores que são cadastrados nas colônias de pescardes dos seus respectivos municípios.


Evangelista confirmou ao deputado, que já está em andamento um planejamento de liberação de pagamento de uma primeira leva para para todos os municípios. " Estamos pagando já alguns e brevemente pagaremos os que faltam" afirmou Elias Evangelista. Desta forma, serão atendidos os trabalhadores da atividade pesqueira devidamente legalizado.

O número de pessoas cadastradas no Estado como pescadores são de 16 mil. E a previsão é que dez mil pessoas requeiram o benefício. O requerimento do seguro-defeso no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começou a partir de 15 de outubro de 2016, mas muito trabalhadores ainda não receberam. O montante que será pago aos pescadores deve girar em torno R$ 8 milhões no Estado. O pagamento é feito em quatro parcelas no valor de um salário mínimo.

Os pescadores artesanais filiados a entidades representativas que firmaram acordo de cooperação técnica com o INSS não precisam se deslocar até uma agência da Previdência Social para requerer o seguro-defeso. O benefício poderá ser solicitado gratuitamente na própria entidade representativa da categoria. O pescador artesanal filiado faz o requerimento e apresenta a documentação necessária na entidade que enviará os requerimentos ao INSS para habilitação do benefício. “A finalidade desses acordos de cooperação técnica é facilitar a vida dos segurados, evitando que tenham que se deslocar muitas vezes por longas distâncias, como ocorre em algumas localidades da Região Amazônica, para chegar até uma unidade de atendimento do INSS”, explica o gerente-executivo do INSS.


O deputado Jenilson Leite destaca que, o seguro-defeso é uma assistência financeira temporária concedida aos pescadores profissionais artesanais que, durante o período de “defeso”, são obrigados a paralisar a sua atividade para preservação da espécie. Para ter direito o pescador deve comprovar que exerce a pesca de maneira exclusiva e ininterrupta, seja sozinho ou em regime de economia familiar. “Sendo um auxílio financeiro para o pescador é prudente que não haja tanta demora no pagamento, mas nos alegra saber que já está em andamento parte do pagamento”.


Assessoria Foto Jardy Lopes 

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Sindicalistas e deputados querem seis meses de prazo para resolver questão de demissões na saúde


Sindicalistas e deputados estaduais se reuniram nesta terça-feira (7) para debater a recomendação do Ministério Públicos do Estado do Acre (MPAC) que orienta a demissão de 277 servidores temporários que estariam com prazos contratuais vencidos e trabalhando em situação irregular, exercendo funções na área de saúde.

O MP recomenda que os servidores sejam desligados de suas funções no prazo de 45 dias, mas sindicalistas e deputados querem uma reunião com o promotor da 2ª Promotoria Especializada de Defasa o Patrimônio Público para que seja formalizado um termo de ajustamento de conduta (TAC) para dilatar o prazo para as demissões.

Segundo informações do deputado Jenilson Leite, o prazo solicitado será de seis meses para que todas as questões sejam devidamente resolvidas. Leite destaca ainda que não há aprovados em concurso para ocupar vagas em alguns setores, como é o caso do setor de nefrologia do Hospital das Clínicas de Rio Branco.


“Mesmo que chamem os concursados, algumas áreas ficarão em aberto. Com as demissões, ainda que chamem os aprovados nos dois últimos certames, alguns cargos ficarão sem profissionais habilitados, o que resultaria em problemas para o atendimento de pacientes nas unidades de saúde do Estado”, diz Jenilson.

O parlamentar destaca ainda a questão dos trabalhadores que não terão como honrar as dívidas assumidas no prazo estabelecido pela recomendação do MP. “Estas pessoas não podem ficar desamparadas após todos estes anos de prestação de serviços. Precisamos de um prazo, não só para o afastamento, mas para convocação”.

Jenilson Leite informa que o déficit de servidores da área de saúde é grande. Para tentar resolver esta questão, uma proposta será apresentada para convocar dois servidores concursados para cada um servidor temporário demitido. Desta forma os serviços seriam mantidos no sistema de saúde pública do Estado.